2014 - O GUARDA-CHUVA AMARELO

 

 

O Guarda-Chuva Amarelo

 

Amelie está de mau humor.

Isso é raro. Raro como quatro dias de sol seguidos em minha cidade.

Amelie é sempre sol, mas hoje enxergo uma pequena nuvem, dessas de desenho animado, chovendo sobre sua cabeça.

Amelie está indo para a escola. Namoro-a pelo espelho retrovisor como de costume e vejo que está impaciente, insatisfeita, incomodada com alguma coisa. Mesmo ouvindo suas músicas preferidas ela não se acalma. Choraminga, gesticula, esfrega os olhos. Desta vez nem Mozart consegue resolver.

Respeito-a. Ela tem direito. Está com um pouco de sono. Estamos apenas eu e ela no carro e seu olhar me diz que ela queria ter ficado em casa nesta tarde fria de inverno – quem não queria!

Chove. Chuva fina e gelada.

Paro o carro. Agora vem a hora mais difícil. Acho que a despedida não vai ser fácil desta vez – na maioria das vezes é. Fico torcendo para que venha alguém bem sorridente para buscá-la. Quanto maior o sorriso, maior a probabilidade de tudo correr bem – Amelie conhece os sorrisos verdadeiros.

Por sorte as professoras e assistentes que vem apanhá-la são sempre muito simpáticas. E lá vem mais uma, e em sua mão direita ela carrega algo que vai mudar nossas vidas, minha e de Amelie, para sempre: um guarda-chuva amarelo. Sim, é isso mesmo, um simples guarda-chuva de cor amarela.

Não é um amarelo qualquer, apagado. Não é amarelo-ouro. Não é amarelo-canário. Não é amarelo-limão. Não sei descrever. Procuro palavras, adjetivos, dicionário. Quem sabe: “amarelo-sol”. Inventei.

Estou olhando Amelie pelo espelho e a mudança de semblante é espantosa. Emocionou-me. Ela se apaixonou por ele. Tudo ao redor parece ter perdido significado, apagando-se. O centro das atenções agora é o tal guarda-chuva amarelo.

Não sei se você já percebeu, mas há algo muito curioso quando alguém se próxima de nós com um guarda-chuva com o intuito de, gentilmente, nos abrigar. Pelo local da empunhadura, e pela altura que se o carrega, dá-se a impressão de que a pessoa está nos oferecendo o objeto, não dá? Como se estivesse dizendo “Tome aqui, para você”. Claro que nós adultos nunca pensamos nisso, mas o gesto existe, é fato. Preste atenção na próxima vez que alguém chegar próximo de você com uma sombrinha.

Agora com as crianças é diferente. É sempre diferente. Gestos falam muito mais que palavras. E com uma criança apaixonada, muito mais. Enquanto a moça se aproxima com aquele objeto amarelo reluzente maravilhoso, Amelie abre um sorriso lindo, sorriso de quem vai ganhar algo que sempre quis e nunca soube que quis, sorriso de realização!

A moça está me oferecendo esta coisa linda e amarela! – deve ter pensando ela.

Preciso dizer que Amelie esqueceu que tinha pai naquele instante?

Pois é... Lá foi ela no colo da professora, radiante, sorriso aberto, segurando com firmeza a haste prateada, desfilando, encantada, entre todas as pessoas e crianças com “seu” guarda-chuva “amarelo-sol”. Fez-me lembrar aqueles atletas que desfilam com as bandeiras de seus países, orgulhosos, nas cerimônias de abertura de jogos olímpicos.

Seu dia não foi o mesmo depois daquele encontro. Ela soube curtir o momento de forma intensa deixando o mau humor, o sono, e seja lá o que fosse que a estivesse chateando, de lado. Foi como se o “presente” a tivesse lembrado de algo bom, algo que ela tivesse, momentaneamente esquecido.

Contudo, ainda vi algo mais, que me fez pensar que talvez aquele não fosse um guarda-chuva qualquer, fosse, quem, sabe, uma sombrinha com poderes mágicos – algo assim. Conforme a claridade do dia -  que era pouca, mas resistia – passava pela transparência da cúpula do guarda-chuva, minha filha era iluminada por uma luz dourada tão intensa que não pude deixar de notar e admirar. Confesso que não sei ao certo se foi Amelie que fez sol debaixo do guarda-chuva, ou se foi a luz que fez-se amarela ao passar pelo tecido dessa cor, mas a verdade é que ali, onde ela estava, o SOL brilhava.

E lá foi ela, fazendo sol debaixo do guarda-chuva num dia feio de inverno...

Como eu quis estar junto, debaixo daquele guarda-chuva amarelo, mas não pude... Fui despertado pela buzina do carro do próximo pai, fui despertado pelo tempo – aquele tempo que dizem que não para...

**

Acho que nossa vida não é apenas repleta de aflições, mas também cheia de guarda-chuvas amarelos. Há sempre um braço nos estendendo um por aí... Salvam nosso dia quase sem querer. Falta-nos, quem sabe, é a sensibilidade para percebê-los. Para nós um guarda-chuva é apenas um guarda-chuva.

Recordo-me de Exupéry e seu aviador em “Le Petit Prince”: “Mostrei minha obra-prima às pessoas grandes e perguntei se meu desenho lhes fazia medo. Responderam-me – Por que é que um chapéu faria medo? Meu desenho não representava um chapéu. Representava uma jibóia digerindo um elefante.”

Ainda estamos enxergando apenas chapéus... e a vida é tão mais rica que isso! A vida é tão cheia de imaginação! É tão cheia de opções, de possibilidades.... de “pequenas felicidades certas”!

Enxergar beleza nessas “pequenas” coisas é uma Arte... “a Arte de ser feliz”, fazendo alusão à querida Cecília Meirelles. Dizia ela: “Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor. Outras vezes encontro nuvens espessas. Avisto crianças que vão para a escola. Pardais que pulam pelo muro. Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais. Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar. Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega. Ás vezes, um galo canta. Às vezes, um avião passa.
Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino. E eu me sinto completamente feliz.”

Sei que um dia vamos deixar de dizer que estas coisas são “pequenas”...

Amelie é pequena. Tem 2 anos.

Amelie é um dos meus Guarda-Chuvas Amarelos.

Faça sol ou tempestade, não saio mais de casa sem ele.





(11) Comentários
  • Denise 28.07.2014 às 15:31:06

    Andrey, meu amigo ! Que mensagem linda! A sua eterna sensibilidade nos encanta, suas palavras, sua música e suas palestras. Que Deus nos permita compartilhar de alguns momentos de sua criação e que você leve à todos que cruzarem seu caminho, a sua alegria e serenidade. Um abraço, Denise Magalhães
  • tio guto 28.07.2014 às 15:31:06

    Lindo o seu texto, me faz chorar de emoção pelas coisas simples que temos e não vemos, pelo carinho que recebemos e pouco damos, mas amamos todos os os temos como familia. Um beijo para v. e principalmente para esta criança encantadora e seu guarda-chuva amarelo, que o sol possa brilhar sempre em seu coração. Obrigado.
  • Nádia de Arins 28.07.2014 às 15:31:06

    Querido amigo! Esta crônica é de grande beleza e sensibilidade. Agradeço por mais este presente que voce nos oferece. Continue, sempre..... Carinhoso abraço, Nádia
  • Cynthia Sarmento 28.07.2014 às 15:31:06

    Uma ótima reflexão para um final de expediente! Muito obrigada pelo lindo texto :)
  • Regina Castro 29.07.2014 às 15:31:06

    Andrey, Que delícia ler tudo isso! Amelie, sem dúvida, é uma grande fonte de inspiração, mas a sua sensibilidade também contribui para enxergar pequenos detalhes. Ela veio para a família exata! Bom dia e que você encontre muitos guarda-chuvas amarelos por aí e que seja um para outras pessoas!
  • Margareth Barreto Marques Eckhardt 29.07.2014 às 15:31:06

    Muito lindo e emocionante. "o invisível é essencial aos olhos". Parabéns por ter um coração tão sensível. Que nossos guarda-chuvas amarelos estejam sempre a nos proteger. Um abraço da avó do João.
  • Aurea Belleza 29.07.2014 às 15:31:06

    Não esqueço nunca uma palestra sua que mencionou Cecília Meirelles - " A arte de se feliz". Parabéns Andrey, pois em textos como este você nos desperta para tantos guarda-chuvas amarelos que temos ao redor e nem o percebemos. Ele certamente transformou a chuva de um dia cinzento em raios de sol para Amelie.
  • Eliane 29.07.2014 às 15:31:06

    Andrey!!! Sou fã de sua sensibilidade, da maneira como usa as palavras, que tocam e sensibilizam meu coração!!!Deus te abençoe!!!
  • Amanda 29.07.2014 às 15:31:06

    Meu querido genro!!! Com certeza nos emocionamos com as suas palavras, porque estamos juntos dessa linda menina, que veio nos iluminar com o seu Sol. Amo muito todos vcs.
  • Adriano Greca 29.07.2014 às 15:31:06

    Querido amigo e irmão, é realmente delicioso ver com que facilidade, imagino, você transforma em palavras os sentimentos... fiquei deliciosamente envolvido por elas... a leitura foi uma experiência!! Grande abraço!
  • Marcia Andrade 30.07.2014 às 15:31:06

    Desde sempre, e já faz muito tempo..., identifico em você algo diferente, profundo, bom e belo! Mas jamais imaginei ser tão lindo! Que nosso "solzinho amarelo" possa vir a ser um marco diferencial em sua criação! Andrey, explore isso de forma que se espalhe por todos os lugares, para todas as pessoas! Que tal compor algo para musicar essa percepção! Chego a ouvir, não sei de que modo, os acordes de sua sensibilidade! PARABÉNS! E continue aproveitando esse pequenos, imensos detalhes, que nos felicitam tanto! Grande abraço! Marcia
Nome: *
E-mail: *
Mensagem: *

*Campos Obrigatórios

destaques

  •  

    15 ANOS DE CARREIRA DE ANDREY CECHELERO

  •  

    Uma seleção de músicas com imagens belíssimas

  •  

    Primeiro livro de Andrey Cechelero - poemas